Clube do Vinho

CHIANTI E O GALO NEGRO

A região de Toscana é uma das mais bela da Itália, localizada nas cercanias de Siena e Florença. Patrimônio histórico, cultural e artístico da humanidade; terra do Renascimento, de Michelangelo, de Leonardo da Vinci, de Dante Aligheri, mas também do Chianti, um dos mais famosos vinhos italianos.

 

O chianti, quase um símbolo da vinicultura italiana, foi inventado pelo Barão de Ricasoli no século XVIII, que criou o vinho com 70% de sangiovese e 30% de outras uvas autóctones (variedades nativas do país ou da região) – a sangiovese é uma uva de pele fina, que resulta em menos taninos, menos cor e ótima acidez. 

 

Há dois tipos de variedades de vinhos: a) chianti; b) chianti clássico (qualidade superior). O chianti clássico é identificado pela imagem de um galo negro impresso na etiqueta.

 

A lenda do galo negro, símbolo do chianti clássico, origina-se no século XIII.  A região do chianti estava situado entre duas repúblicas: Florença e Siena e era muito rica pelas condições favoráveis ao plantio de vinhedos e de oliveiras. Ambas queriam o controle político da região e muitas lutas foram travadas por esse fato. Para evitar esse confronto contínuo, os governantes dessas cidades concordaram em estabelecer os limites  geográficos por meio de uma disputa sui generis. Ao primeiro cantar do galo, um cavaleiro partiria de Florença e outro de Siena, onde os cavaleiros se cruzassem seria traçado o limite.

 

Cada cidade selecionou um galo. Siena escolheu um majestoso galo branco, bem nutrido e habituado ao canto matutino. Por sua vez, os sagazes florentinos escolheram, para liberar seu competidor, um galo preto, mal alimentado, mantido na escuridão para que não tivesse conhecimento do nascer ou do pôr do sol e, segundo alguns, “depressivo e vítima de crises permanentes de insônia”.

 

No dia marcado, devido à fome, o galo negro acordou muito antes de o sol nascer e cantou para a primeira refeição. O cavaleiro de Florença partiu muito cedo, avançando a fronteira encontrando o de Siena em Fonterutoli, quase às portas de Siena. Assim, Florença ficou com a maior parte da região do Chianti Clássico.

 

O Chianti Clássico é um vinho aromático, frutado e de médio corpo. É um dos vinhos ideal para se acompanhar uma boa pizza, massa ou a famosa bisteca florentina (conhecida no Brasil também como chuleta).

 

Principais produtores desse vinho: Antinori, Badia a Coltibuono, Frescobaldi, Castello di Ama, Castello di Fonterutoli, Isole e Olena.

 

Alguns bons chiantis: Chianti Clássico Riserva Zonin, Chianti Clássico Villa Cerna, Rocca Delle Macie, Chianti Cetamura  (Badia a Coltibuono), Chianti Clássico (Poggio al Sole), Chianti Clássico (Castellare di Castellina), Barone Ricasoli.

 

Saudações enológicas.

 

Welington Andrade.